Depilação na gravidez: o que pode e o que não pode? - Mais Abraços
voltar

Depilação na gravidez: o que pode e o que não pode?

Antes de engravidar, você costumava se depilar com cera ou usava lâmina? Saiba que, durante a gestação, não é preciso mudar o hábito que tinha para eliminar os pelos. Inclusive, pode ser até que alguma alteração traga problemas. “Se há uma passagem de lâmina para cera pode haver mais sensibilidade da pele e ser prejudicial”, diz a dermatologista Regina Bruttos (SP), especialista em procedimentos estéticos em gestantes.



A depilação pode ser feita até o nono mês de gestação, porém, é preciso cuidados para que não haja lesões. Isso porque, além da possibilidade de infecções, elas podem causar marcas permanentes na pele. “Sempre que acontece alguma inflamação ou machucado na gravidez, há risco de aparecer uma mancha”, diz. Além disso, é preciso ficar atenta aos métodos não permitidos.



Verifique a seguir o que pode ou não:



Depilação a laser - Não pode ser realizada durante a gravidez, pelo alto risco de causar manchas na gestante. “O laser não oferece perigo ao bebê, o cuidado é para a pele da mãe mesmo”, afirma Regina.



Lâmina - Ela pode ser usada sem problemas, mas o manuseio deve ser cuidadoso, principalmente pela possibilidade de pequenos cortes que podem causar infecções e contaminações. “A lâmina provoca microfissuras na pele e é necessário mais atenção no caso da gestante”, reforça a especialista.



Cremes depilatórios – Cremes depilatórios e descolorantes contêm muitas substâncias químicas e, como são aplicados em uma grande área do corpo, têm maior absorção. Assim como os ácidos, podem chegar à placenta. “Além disso, esses cremes têm um poder irritativo muito grande e devem ser evitados, como qualquer processo que induza alergia ou irritação, já que podem manchar a pele”, diz.



Cera fria ou quente - Não há contraindicação, independente da temperatura. Porém, é preciso cuidados. No caso da cera quente, Regina afirma que deve haver uma atenção especial com a temperatura, pois, junto à sensibilidade aflorada da mulher (que pode aumentar com o passar dos meses da gestação), o calor excessivo pode traumatizar a pele e deixar marcas. A cera também não pode ser reutilizada.