Pézinhos de bebê livres e saudáveis

Quais os problemas ortopédicos mais comuns nos pés dos bebês?

Kimberly Clark Brand Mais Abraços // Sábado 21 Março, 2020 // #saude, #cuidados, #bebe

Depois de escolher os sapatos adequados para o seu bebê e treinar juntos para dar os seus primeiros passos, o que segue é estar atenta ao desenvolvimento dos seus pés.

A intervenção precoce é a melhor maneira de identificar e tratar possíveis problemas com os pés dos seu bebê. Se você tiver alguma preocupação, consulte o seu médico de cabeceira ou especialista em ortopedia.

Esteja atento ao desenvolvimento de seus pés

Problemas ortopédicos mais comuns nos pés dos bebês

Pé chato ou pé plano: o que é e tratamento

O pé plano vulgarmente conhecido como pé chato é uma condição que atinge um percentual pequeno de infanto-juvenis, variando entre 3% a 13% e, sendo, muitas das vezes confundido com a anatomia natural pé dos bebês.

Isso se deve ao fato de que nos primeiros anos de vida, o pé não está completamente formado e a criança normalmente possui uma pequena almofada de gordura situada na planta do pé, logo por baixo da pele. Por isso, a criança pode ter um pé plano até aos dois, três anos de idade. O melhor a fazer é esperar até que o seu filho tenha entre dois e três anos para que através de uma avaliação profissional seja diagnosticada a presença do pé chato.

Pé cavo: o que é isso?

Também conhecido como “pé arqueado”, ocorre quando o arco plantar está muito mais elevado do que o comum, o que provoca modificações musculares nos pés. Esta condição não afeta as atividades das crianças ou o seu adequado desenvolvimento, mas sim pode provocar dificuldades para estabelecer o equilíbrio ou o repouso, uma vez que o exagero dessa curvatura, força a distribuição do peso em dois pontos, o calcâneo e os dedos dos pés, provocando um desequilíbrio na distribuição dos pontos de pressão resultando em dores. A melhor forma de compensar a rigidez e a falta de amortecimento do pé cavo é por meio do uso de palmilhas ou almofadas de suporte de arco.

Marcha em pontas: o caso dos bebês que andam na ponta dos pés

A marcha em pontas acontece quando a criança não toca o chão com os calcanhares, e isso se torna evidente assim que o bebê começa a andar com autonomia. Além disso, ela acomete igualmente os dois pés e não é progressiva, isto é, não piora com o tempo. Esta é uma condição comum e, em geral, se normaliza depois de alguns meses. Caso contrário, pode ser útil ter uma avaliação quando completar dois anos, já que pode indicar a presença de outros transtornos do desenvolvimento que precisam de tratamento.

O pé metatarso aduto ou metatarso varo

Esta condição provoca que a parte anterior do pé, ou antepé, se volte para dentro. É identificado geralmente ao nascer e normalmente não precisa de tratamento. Normalmente se soluciona com exercícios de alongamento. Aproximadamente 15% dos casos não são solucionados desta forma, sendo necessário adotar outras medidas como sapatos ortopédicos, talas ou suportes.

Durante os primeiros anos do seu bebê não é fácil detectar a maioria destas condições. Como cada criança se desenvolve no seu próprio ritmo, somente um especialista pode dizer para você se é necessário ou não fazer algum tipo de tratamento ortopédico. Se você tiver alguma dúvida, consulte o seu pediatra, ele é o mais indicado para dizer se realmente é necessário visitar um especialista.