Pressão arterial na Grávidez

Entenda o que acontece com a pressão arterial durante a gravidez

Kimberly Clark Brand Mais Abraços // Sábado 4 Janeiro, 2020 // #gravidez, #saude, #cuidados

A pressão sanguínea é a força com a que o seu sangue se desloca pelas suas artérias. Durante a gravidez o maior risco é a hipertensão, mas é possível preveni-la. Entenda o que acontece com a pressão arterial na gravidez e conheça os cuidados que você deve tomar.

A maior pressão do sangue sobre as paredes das suas artérias pode ocorrer durante a gravidez ou estar já presente antes deste. Isto pode trazer sérios problemas tanto para você como para o seu bebê, mas na sua maioria pode ser prevenido e controlado através de um bom cuidado pré-natal.


O medo, a realização de exercícios ou a obesidade também podem afetar a sua pressão, por isso que várias medições devem ser tomadas antes de que seja possível diagnosticar algum tipo de hipertensão.

Os principais sintomas da pressão arterial na gravidez são

  • Fortes dores de cabeça
  • Inchação
  • Tonturas
  • Visão turva
  • Repentino aumento de peso

Os dois principais tipos de hipertensão arterial são: hipertensão crônica e a hipertensão gestacional. A hipertensão crônica ocorre quando a mãe já sofria de pressão arterial elevada antes da gravidez. A gestante hipertensa precisa de acompanhamento médico rigoroso, para que tudo ocorra bem, com mãe e bebê do início ao fim da gravidez. Sendo muito provável que tenha que fazer ultrassons mais frequentes para controlar o desenvolvimento bebê até o momento do parto, e logo após o parto, seguirá com a pressão alta, razão pela qual medicamentos em dia e uma dieta saudável são de extrema valia para estes casos.

O outro tipo de hipertensão é a que se desenvolve depois das 20 semanas de gravidez. Esta hipertensão produz menos riscos para o seu bebê, não tem um tratamento específico e é normalizada logo depois do parto. Porém, é função do médico obstetra assegurar que a hipertensão seja, de fato, temporária.

Ambas devem ser acompanhadas de perto para garantir, principalmente, que não derivem ou sejam um sintoma de pré-eclâmpsia. Esta alteração hepática apresenta sérios riscos de problemas em órgãos como a placenta, o rim, o fígado e o cérebro, além de bebês com baixo peso, partos prematuros e interrupção da gravidez.


Não é comprovado que o repouso na cama seja benéfico para controlar a hipertensão e evitar a pré-eclâmpsia. Também não é confirmada que a perda de peso durante a gravidez, traga benefícios, mas sim é bom manter uma dieta saudável e equilibrada, evitando o consumo de bebidas alcoólicas ou tabaco.