Gravidez em mães consumidoras de drogas

Consumo de drogas na gestação

Kimberly Clark Brand Mais Abraços // Quarta-feira 20 Maio, 2020 // #gravidez, #cuidados, #saude

Os efeitos das drogas na gravidez dependem da intensidade, do tempo de consumo e a sua relação com a gravidez. Mas sempre são prejudiciais, tanto as permitidas como as que não são.


Com relação às drogas permitidas, o seu consumo deve ser suspenso, inclusive, se for possível, antes da gravidez. As xantinas, café, mate, etc., consumidos em quantidades moderadas a grandes, produziriam um baixo peso ao bebê quando nascer e maiores riscos de parto prematuro. O tabaco provoca alterações na gravidez, sobretudo baixo peso ao nascer, parto prematuro e complicações do parto.

Razões para evitar as drogas na gravidez

O álcool

Deve ser suspenso pelos riscos de malformações variadas, de aborto, de complicações na gravidez e no parto. O álcool é o principal teratogênico (gerador de malformações) conhecido.

A maconha

Uma das substâncias psicoativas atravessa a barreira da placenta e, portanto, chega ao feto, demonstrando provocar alterações do desenvolvimento psicoativo, ainda que outros efeitos possíveis não tenham sido confirmados.


A cocaína

Produz deficiência intelectual, malformações de distintos tipos e síndrome de abstinência de cocaína no recém-nascido. Além disso, o feto é exposto às substâncias pela vasodilatação, isto é, pela dilatação dos vasos sanguíneos e o consequente aumento da pressão intravascular.

O uso de pasta base demonstrou efeitos adversos no período embrionário e na gravidez, mas não há estudos rigorosos até o momento, dada a relativa novidade do seu uso e na avaliação das suas consequências na gravidez.

Em resumo, o uso de drogas ilegais, além de afetar você, pode afetar a sua gravidez em todas as etapas. Estas expõem você a condutas de risco, nas quais pode contrair doenças infecciosas graves, como o HIV e a Hepatite B ou C.