Os primeiros três meses do bebê - Mais Abraços
  • Frete grátis acima de R$150 (Sul e Sudeste)
  • Pague em até 3X no cartão de crédito(acima de 150 reais)
  • Minha Conta
  • Meu chá
  • Assinatura

Os primeiros três meses do bebê

Os três primeiros meses de vida são cheios de cuidados, mudanças e descobertas. Os pais ainda estão conhecendo quem é esse novo ser que chegou à família: do que ele gosta, o que o acalma, que posição prefere para mamar, como são os horários de sono. E o bebê, por sua vez, ainda está se acostumando à vida fora da barriga da mãe. “Além da adaptação que ocorre imediatamente após o nascimento, em questões respiratórias, cardíacas e sensoriais, até os três meses ele estará se adaptando à vida aqui fora”, explica a enfermeira obstétrica Cinthia Calsinski, doutora em enfermagem pela Unifesp.

Não é por acaso que muitos especialistas se referem a esse período como “quarto trimestre” ou “exterogestação”, o que totalizaria o primeiro ano de vida inteiro – dentro e fora do útero. “Nós saímos da barriga da mãe, mas não estamos prontos para o mundo. Por isso, o choro do bebê nessa época é o que chamamos de ‘choro chato’, mais constante, justamente para chamar a atenção e ter certeza de que suas necessidades serão atendidas”, explica o pediatra e neonatologista Nelson Douglas Ejzenbaum, membro da Academia Americana de Pediatria.


Sons familiares

Nos primeiros três meses, o bebê estará desenvolvendo plenamente seus sentidos, por isso é importante dar o máximo de estímulo e de carinho: olhar diretamente para ele, conversar bastante, oferecer brinquedos que ele possa pegar e morder, com diferentes texturas e formas. E, ao mesmo tempo, confortá-lo com o que já é familiar.

“Tudo o que remete ao ambiente uterino o deixa seguro e ajuda a acalmá-lo: tapinhas leves no bumbum, que simulam as batidas do coração da mãe, no mesmo local que ele as sentia quando estava de cabeça para baixo no útero, e o chiado que fazemos com a boca (“shiiiiiiiii”), que lembra o som da artéria uterina costumam funcionar”, explica a enfermeira. Vale abusar também do sling, que deixa o bebê bem coladinho à mãe ouvindo os sons do coração dela, e de banhos de ofurô, onde fica imerso da mesma forma como acontecia no útero.

Com essas dicas no radar, fique atento a tudo o que vai acontecer nesse primeiro trimestre de vida:

1) Primeiro sorriso sincero

Por mais que você se derreta quando seu bebê sorri, mostrando a gengiva e apertando os olhos, até os dois meses de vida o riso é apenas um reflexo, não é voluntário nem pretende responder a qualquer interação. Mas tudo muda quando o bebê se torna capaz de sorrir intencionalmente, que é o que os médicos chamam de sorriso social. “A partir daí o desenvolvimento dos vínculos fica ainda mais forte”, explica Ejzenbaum.

2) Ouvinte atento

O bebê aprende a reconhecer a voz dos pais às vezes até mesmo antes de nascer, já que estima-se que esse sentido comece a se desenvolver na 20ª semana de gestação. Nos primeiros dias de vida, ele pode procurar a voz da mãe e, ainda no primeiro mês, tentar emitir sons para responder. “Costumo dizer aos pais que não é de um dia para o outro que o bebê começa a entender, mas que devemos tratá-lo como se entendesse tudo desde o primeiro dia. Comunicar acontecimentos como trocas de fraldas, banhos, momentos de mamar e dormir começam a formar uma rotina previsível e costumam deixar os bebês mais calmos”, explica Cinthia. Ao fim do terceiro mês, os balbucios já estão a todo vapor. Ainda não dá para desenvolver uma conversa, mas é um começo...

3) Olhar apaixonado

Logo ao nascer, o bebê consegue enxergar a uma distância de aproximadamente 20-30 centímetros, o que coincide com a distância da face da mãe quando ele está mamando no seio. Com dois meses, a qualidade da visão melhora, e ele se torna capaz de enxergar detalhes: olhos, nariz, boca, ainda que reconheça melhor os estímulos sonoros. Assim, já tem familiaridade com os traços dos pais e de pessoas próximas.

4) Firme e forte

A partir do segundo mês, você pode notar o pescoço do bebê já mais durinho e, com 3 meses, ele vai conseguir firmá-lo ainda melhor, levantando a cabeça em busca de sons e deixando a coluna mais reta. É uma preparação para conseguir sentar sozinho e firme, o que deve acontecer só lá pelo 6º mês.

Buscar